quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Bom Jesus Esporte Clube





Bom Jesus Esporte Clube, da cidade goiana de Bom Jesus. O clube foi fundado em 20 de março de 1995. Atualmente joga a Terceira Divisão do futebol de Goiás. (Fotos enviadas por Ivon Rocha Lima, diretor de futebol do clube)

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

O futebol desconhecido

KIRIBATI










O Kiribati é o único país do mundo que fica nos quatro hemisférios. Isso acontece porque o Kiribati possui várias ilhas espalhadas por todo o Pacífico, fazendo com que seu território esteja localizado nos hemisférios norte, sul, leste e oeste.

A Seleção Quiribatiana de Futebol representa Kiribati nas competições de futebol. Kiribati é um membro associado da Confederação de Futebol da Oceania (OFC) e membro provisório da ConIFA. Mesmo assim, a seleção não pode participar da Copa do Mundo ou da Copa das Nações da Confederação de Futebol da Oceania, pois o país não é membro da FIFA.

Até meados de 2005, jogou apenas seis partidas em toda a sua história, ganhou apenas uma, marcando apenas três gols e levando nada menos que 77. Recentemente, Kiribati naturalizou um atacante da Alemanha, na esperança de alguns gols. As maiores goleadas que recebeu foram para Fiji e Vanuatu, perdendo de 24 X 0 e 18 X 0 respectivamente.

Em 2012, o técnico escocês Kevin McGreskin foi contratado para aumentar o nível da seleção e obter o reconhecimento da FIFA numa eventual filiação ao órgão máximo do futebol.

Todos os jogos disputados pelo Kiribati desde 1979

Setembro de 1979: Papua Nova Guiné 13 X 0 Kiribati - Jogos do Pacífico Sul de 1979
Setembro de 1979: Ilhas Fiji 24 X 0 Kiribati - Jogos do Pacífico Sul de 1979
30 de Junho de 2003: Tuvalu 3 X 2 Kiribati - Jogos do Pacífico Sul de 2003
3 de Julho de 2003: Ilhas Salomão 7 X 0 Kiribati
5 de Julho de 2003: Ilhas Fiji 12 X 0 Kiribati - Jogos do Pacífico Sul de 2003
7 de Julho de 2003: Vanuatu 18 X 0 Kiribati - Jogos do Pacífico Sul de 2003
13 de Agosto de 2009 Vanuatu 0 X 1 Kiribati - Jogos do Pacífico Sul de 2003


Seleção de Kiribati. (Foto: Loucos por Futebol)

TUVALU









A equipe nacional de futebol de Tuvalu ingressou na Confederação de Futebol da
Oceania em 2006. 

No entanto, o país tenta se filiar à Fifa desde 1987. Com apenas 11.500 habitantes, é o terceiro menor Estado soberano do mundo. 

Somente Vaticano e Nauru são menos populosos, tornando Tuvalu a nação menos povoada com uma equipe de futebol internacional.

Tuvalu disputa a maioria de seus confrontos nos Jogos do Pacífico e Jogos do Pacífico Sul. Em 1979, nos Jogos do Pacífico Sul, o time entrou em campo em duas oportunidades, perdendo por 18 X 0 para o Taiti e conseguindo uma histórica vitória sobre Tonga por 5 X 3.

As eliminatórias para a Copa da África do Sul em 2010 significaram um importante marco para o pobre futebol de Tuvalu. A seleção fez história ao se tornar a primeira equipe não afiliada à FIFA a disputar um jogo de qualificação para Copa do Mundo.

A Oceania usou critérios referentes aos Jogos do Pacífico Sul de 2007 e Tuvalu teve o direito de entrar na primeira fase. Pode-se dizer que a equipe teve um bom desempenho, empatando com o Taiti por 1 X 1, embora não tenha alcançado resultados satisfatórios nos demais jogos.

Após a inédita participação no torneio, Tuvalu reivindicou sua filiação à Fifa, não concedida até o momento.


Seleção Nacional de Tuvalu. (Foto: Globo Esporte)

PALAU









Independente desde 1994, a República do Palau conta com uma população de  pouco mais de 20 mil habitantes. Desde 2006, sua capital é a cidade de Melequeoque. Em termos futebolísticos, a modalidade no país é regida pela Palau Football Association, que não é filiada à FIFA.

Ao longo de sua história, a Seleção de Palau entrou em campo em cinco oportunidades, somando duas vitórias (7 X 1 contra Pohnpei e 7 X 1 contra Yap) e três derrotas (1 X 12 contra as Ilhas Marianas do Norte, 2 X 15 contra Guam e 2 X 6 contra Vanuatu).

Praticamente desconhecido e caminhando a passos lentos, o futebol ainda engatinha em Palau. A começar por ser um esporte muito menos popular do que o baseball. 

Portanto, não é supresa que o número de adultos registrados pela Federação Palauana de futebol seja de cerca de 57 pessoas, com 53 homens e 4 mulheres. Devido ao fato do esporte não ser afiliado a Fifa, algumas regras são modificadas e adaptadas. 

Os jogos são jogados em 60 minutos com nove jogadores de cada lado e dispõem de jogadores masculinos e femininos em uma mesma equipe. Os times ainda são dominados por jogadores estrangeiros, pois os moradores interessados em futebol são raros. Entre 2008 e 2011, o campeonato nacional não foi disputado devido a falta de pessoal.

Mas Carles Mitchell quer mudar esse quadro. Responsável pela federação de futebol do país desde 2008, o cartola está esperançoso em dar uma nova cara ao futebol na ilha. 

Em 2011, foram realizados os "Jogos Belau", um torneio de futebol planejado para ser um torneio disputado por atletas de diversas idades. Porém, rapidamente se tornou óbvio que não havia jogadores adultos suficientes na ilha. Assim, o torneio foi realizado como uma competição sub 14. 


Crianças palauanas e o futebol. (Foto: Palau Football Association) 

VATICANO














A Seleção de Futebol do Vaticano é a seleção de futebol da Cidade do Vaticano. É uma seleção amadora, uma das oito nações soberanas que não são filiadas à FIFA. O Vticano tem uma área de 0,44 km² e população de 826 habitantes.

A UEFA já declarou em 2006 que o Vaticano teria todo o direito de se inscrever na entidade, mas o Cardeal Secretário de Estado Tarcísio Bertone já declarou que está feliz com o amadorismo ".

A primeira partida oficial da equipe do Vaticano foi contra San Marino, em novembro de 1994. Depois atuou apenas contra seleções não-filiadas à FIFA (Mônaco, Tuvalu, Kiribati, Estados Federados da Micronésia, Nauru, Ilhas Marshall e Palau), terminando sempre em 0 X 0. Em 2006, o Vaticano venceu a equipe suíça do SV Vollmond por 5 X 1, no Stadio Petriana, a menos de um quilômetro da Cidade do Vaticano.

Todos os jogadores da Seleção do Vaticano são voluntários da Guarda Suíça, membros do Conselho Papal e pelos guardas dos Museus (cidadãos italianos), os únicos capazes de conseguirem cidadania do Vaticano. Ocasionalmente, seminaristas se unem à equipe.

Em 2007, sacerdotes e seminaristas da Cidade do Vaticano e de Roma disputaram a primeira edição da “Clericus Cup”, torneio criado após uma ideia do secretário de estado do Vaticano, o cardeal Tarcísio Bertone.

A goleada que o Brasil sofreu para a Alemanha nas semifinais da Copa, em pleno Mineirão lotado, foi superada finalmente. Em agosto de 2014, na Alemanha, o Weisfeller Elf, time amador do país germânico, formado por ex-atletas profissionais das décadas de 70 a 90, representando a Alemanha atropelou a modesta equipe do Vaticano por 8 X 1.

O jogo beneficente por incrível que pareça foi muito disputado. Os times foram para o intervalo ainda com o placar de 0 a 0. Porém, a etapa derradeira viu o combinado de padres e funcionários do Vaticano sucumbir a pressão adversária.

O gol de honra da comitiva vaticana foi marcado por um dos guardas de museu. Esta foi apenas a nona partida da história da seleção, e sua primeira goleada sofrida.


O monsenhor Markus Heinz, da Secretaria de Estado vaticana estava muito feliz com a partida, apesar da derrota: - Tudo ocorreu graças a uma iniciativa a favor de crianças com problemas de saúde e necessitados. Foi uma excelente ideia do futebol alemão. Uma experiência única - completou.


Amistoso entre o time amador alemão do Weisfeller Elfe, contra a Seleção do Vaticano. (Foto: Globo Esporte)

NAURU









Localizada na Oceania, a ilha de Nauru não possui oficialmente uma capital — porém, já que o bairro de Yaren possui muitas casas de autoridades, os moradores consideram o lugar como a capital. Antes, era chamado de Ilha Aprazível. 


Nauru é uma ilha do hemisfério sul, pertence à Oceânia, mais concretamente à região da Micronésia. Depois do Vaticano e do Mónaco, Nauru é o terceiro país mais pequeno do Mundo, compreende apenas uma área de 21 Km2 . A ilha mais próxima ao país é a Ilha Marshall, no Kiribati, a uma distância de 300 Km.

A Seleção Nauruana de Futebol representa Nauru nas competições de futebol. Entretanto, o país não é um membro associado, tanto da FIFA quanto da Confederação de Futebol da Oceania, e por isso, não pode participar da Copa do Mundo ou Copa das Nações da OFC.

A seleção é o órgão mais importante da Associação de Futebol Amador de Nauru (NASA, do inglês Nauru Amateur Soccer Association), fundada em 1973. A NASA, por ser uma federação amadora, ainda não é considerada, tanto pela FIFA quanto pela OFC, uma federação oficial. O estádio sede da Seleção de Nauru é o "Meneng Stadium", localizado no distrito de Meneng.

O primeiro jogo internacional da seleção nauruana foi contra trabalhadores das Ilhas Salomão que viviam em Nauru, em 2 de Outubro de 1994. Nauru venceu por 2 X . Existem relatos de uma partida contra Kiribati, que teria ocorrido em Tarawa.

Tal jogo foi uma surpresa, já que as Ilhas Salomão foram as campeãs da Copa Melanésia. Até hoje, este é o maior feito esportivo de Nauru. Além desse resultado inesperado, a Selecção de Nauru participou em mais dois jogos de futebol a contar para um torneio amigável denominado "Micronesian Games in Palau".

Dia 1 de Agosto de 1998, fez o seu primeiro jogo nesse torneio, tendo sido derrotado pela Selecção do Guam por 15 X 3 (maior derrota até agora). O segundo jogo não correu melhor: Palau 2 X 11 Ilhas Marianas do Norte.

Uma partida foi disputada em 20 de junho de 2014 entre um combinado de jogadores nauruanos, que enfrentaram os refugiados australianos no "Estádio Denig", em uma homenagem ao "Dia Mundial do Refugiado". O resultado é desconhecido.


Estádio Denig, em Nauru. (Foto: Loucos por Futebol)

ILHAS MARSHALL









As Ilhas Marshall são um país desconhecido para a maioria dos mortais do planeta. Em plena zona equatorial, a altitude máxima do conjunto de atóis é de três – isso mesmo, 3 metros. Será o primeiro país a desaparecer caso as previsões de degelo das calotas polares se tornem reais – e já estão se tornando.

Em um espaço de 70 km quadrados, espremem-se 60 mil pessoas, sendo que a maioria delas no atol-capital, Majuro. O país é dotado de praias de areia branca e recifes de corais de biodiversidade estonteante, ilhotas remotas e coqueiros mil, em plena Micronésia, características que transformariam o país num excelente destino turístico de milionários, como é Fiji, o Taiti ou as Maldivas.


Seleção das Ilhas Marshall. (Foto: Loucos por Futebol)


ILHAS MAURICIO














A Seleção Mauriciana de Futebol representa a IlhasMaurícia nas competições de futebol da FIFA. Nunca foi uma seleção de resultados expressivos no futebol: sua estreia foi contra a Seleção das Ilhas Reunião, em 1947, vencendo por 2 X 1.

Sua maior vitória foi contra a mesma Seleção das Ilhas Reunião, por 15 X 2, em 1950. As duas partidas foram realizadas em Madagáscar.

A maior derrota dos “Dodôs” foi contra Egito, Seychelles e Senegal, com o mesmo placar nas três partidas: 7 X 0 (em 2003, 2008 e 2010).

Maurício jamais chegou perto da classificação para uma Copa do Mundo. Entre 1930 e 1950, não conseguiu entrar nas Eliminatórias. Em 1974 estreou nas Eliminatórias, mas não chegou perto da vaga. Em 1978 e 1982, também não conseguiu entrar. Em 1986, esteve longe da classificação. Em 1990, foi desclassificado por estar em litígio com a FIFA. Desde então, jamais estiveram na briga por vagas em Copas do Mundo.


Maurício disputou apenas uma edição da Copa das Nações Africanas, em 1974. Caiu já na primeira fase, com três derrotas, dois gols marcados e oito sofridos.


Seleção das Ilhas Mauricio. (Foto: Plano Tático)

PRINCIPADO DE SEALAND









No Mar do Norte, perto da costa da Inglaterra, fica o Principado de Sealand, aquele que se considera o menor país do mundo. Apesar dos clamores, a ONU (Organização das Nações Unidas) não reconhece o local como um Estado independente, frustrando os quatro habitantes da ilha.

Tudo começou quando Roy Bates, ex-infante da Marinha Real Britânica, levou a mulher e os filhos para conhecer o bizarro refúgio durante uma noite de Natal bem romântica e familiar em 1966. 

Aproximadamente seis meses depois, o antigo rádio amador pirata se autoproclamou príncipe de Sealand e, como ele não teve oposição, se tornou o Monarca absoluto do território.

Depois de instalado oficialmente na plataforma, o rei Roy resolveu fundar seu próprio país depois de descobrir que uma corte londrina não autorizou seu despejo do local, já que estava em águas internacionais, portanto, fora do alcance da legislação britânica. Mas ele foi além: consultou advogados e pintou o nome Sealand em uma placa de zinco ao lado da plataforma, oficializando seu país.

Depois de instalado oficialmente na plataforma, o rei Roy resolveu fundar seu próprio país depois de descobrir que uma corte londrina não autorizou seu despejo do local, já que estava em águas internacionais, portanto, fora do alcance da legislação britânica. Mas ele foi além: consultou advogados e pintou o nome Sealand em uma placa de zinco ao lado da plataforma, oficializando seu país.

Para alcançar o sonho de ser oficializado como uma nação, Sealand aposta no sucesso esportivo, em especial no futebol. Mas como montar uma equipe tendo apenas quatro pessoas em seu país? Simples: qualquer um está convidado a vestir o uniforme vermelho e representar a causa nacional nos campos mundo afora.

Sealand foi fundado há cerca de 45 anos pelo ex-major do exército britânico Paddy Roy Bates, pouco após o fim da II Guerra Mundial. O país tem 550m² e fica em uma plataforma abandonada em alto mar, a 11km da cidade de Harwich, no sudeste da Inglaterra.

O acesso só é possível por helicóptero ou barco. Por estar além do limite de três milhas das águas territoriais britânicas, porém, o território está fora do controle do Reino Unido, que aceita o local como uma "propriedade privada".

Apesar de só possuir uma "rua" e uma casa, onde vivem todos os seus habitantes, Sealand tem Constituição, bandeira e hino nacional, além de moeda, passaporte e selos próprios.

A eletricidade vem de geradores e energia eólica, enquanto a comida é importada da Holanda. A ilha também possui uma seleção de futebol formada por "convidados".

Quem escreve as regras do jogo na pequena nação é um jornalista escocês de 34 anos. Neil Forsyth foi nomeado presidente da Federação de Futebol de Sealand pelo príncipe-regente Michael, filho do fundador do país e atual manda chuva da ilha.


Forsyth foi o responsável por reativar a seleção, agregando simpatizantes da causa nacional para formar um time que pudesse disputar as competições da NF-Board (Nouvelle Fédération-Board), instituição criada em 2003 para representar esportivamente nações, Estados não reconhecidos, minorias, povos sem territórios e micronações não-filiadas à Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados), como Curdistão, Chipre do Norte, Saara Ocidental e Zanzibar.


Principado de Sealand, o menor país do mundo. (Foto: Mega Curioso) 

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Futebol de Juíz de Fora

Pelé em visita Juiz de Fora em Maio de 1996. O então ministro extraordinário dos Esportes foi recepcionado com festa pelos meninos do projeto "Bom de bola, bom de escola". (Foto: Acervo de Gilson Assis) 


Equipe de futebol do Manchester. Neymar, o pai, foi anunciado pelo Manchester em 1994. No jogo de estreia, Neymar Júnior, então com dois anos, também aparece na foto com o time.

O Manchester não era o United e nem o City, mas o de Juiz de Fora.
O time mineiro, fundado naquele mesmo ano, era a fusão dos três tradicionais times da cidade: Tupi, Tupynambás e Sport.

No jornal da época, "Neimar" foi tratado como o grande nome do time para a disputa da série C do Campeonato Brasileiro. "Meu estilo é esse mesmo, agredir a defesa do adversário", admitiu à imprensa local.

A passagem de Neymar pai pelo clube durou apenas duas semanas. Foram quatro jogos e nenhum gol marcado. A trajetória do Manchester também foi curta.


Em um ano já não existia mais. A foto acaba sendo uma relíquia e uma prova da existência de um time que nasceu e logo morreu.  (Fonte:http://sportv.globo.com/site/blogs/especial-blog/alambrado/post/o-manchester-da-familia-neymar.html

Equipe de Futebol do Tupi, durante o Campeonato Mineiro de 1981.
Em pé: Lilinho - Marco Antônio - Marcio Carrapato - Júlio Maravilha - Bodega e Júlio Cesar. Agachados: Pullig – Formiga – Nequinha – Paulinho - Carlos Alberto e Chicletes. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo)


Um Jogo Inesquecível. No dia 26 de julho de 1979, no campo do Sport Club Juiz de Fora (na Avenida Rio Branco), o time principal do Flamengo, do Rio de Janeiro, enfrentou a equipe de futebol do ABCR.

O placar foi 7 X 0 para o Flamengo. Tita marcou quatro gols, Adílio fez dois e Júlio César fez um. Quase oito mil pagantes.

O Flamengo trouxe à cidade a base de um time que encantou o Brasil e o mundo nos anos seguintes:

Cantarelli – Rondinelli – Leandro – Tita - Cláudio Adão - Júlio César – Adílio e Andrade, dentre outros. (Foto: Acervo de Vanderlei Dornelas Tomaz)

Bairro de Lourdes . Esporte Clube São Carlos, em 17 de agosto de 1971. Campo do São Carlos. Evento: 21º Aniversário de Fundação. Adversário: Versalhes F.C. Resultado: São Carlos 5 X 1 Versalhes. Gols: Luiz (2), Renato (2) e Vitório para o São Carlos.

Em pé: Jésus (diretor esportivo) – Dirceu – Betinho – Almir - Zé Carlos – Reginaldo – Adãozinho - Renato e Peruca (técnico). Agachados: Márcio – Evandro – Walter – Vitório – Renato - Luiz e Amendoim (massagista). (Foto: Acervo de Luiz Cipriano da Silva, extraída do Blog Maria do Resguardo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Time do Zebrão, cuja sede ficava na Avenida Garibaldi em frente ao Colégio Santos Anjos. Em pé: Waltinho (técnico) – Rominho – Renê – Helimar – Patinho - Ivan Bailarino - Preto e Mussoline (Massagista). Agachados: Mundinho (torcedor) – Ademir – Brechó – Banas - Paulo Henrique e Rubinho. Final dos anos de 1970, inicio dos anos de 1980. (Foto: Acervo de Ely Nascimento)
Equipe de Futebol do Sport Campeão em 1967. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Equipe de futebol do Pigalle, um dos restaurantes mais badalados de Juiz de Fora em 1965. Era localizado na Rua Halfeld, onde atualmente esta a Palimontes. (Foto: Acervo de Celene Prata )

Equipe de Futebol do Esporte Clube Benfica em 1964. (Foto: Acervo de Mauro Jesus Fonseca - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)  


Campo do Industrial Mineira. A.B.C Campeão. Provavelmente em 1963. Foi o único Título do A.B.C. Segunda Divisão da L.D.J.F. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)

Garrincha e Elza Soares em Juiz de Fora. Foto: Data e local desconhecidos. (Foto: Arquivo de Roberto Dornellas ou Jorge Couri)

Tupi, década de 1960. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br )


Equipe de Futebol do Tupi. Década de 1960. (Foto: Acervo Simón Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br )


Equipe de Futebol do Tupi. João Pires é o primeiro agachado da esquerda para direita. Década de 1960. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Flamenguinho do Futrica. Década de 1960. (Foto: Acervo Sidney Vieira, Bar do Futrica)

Bairro Poço Rico, no Estádio José Paiz Soares, provavelmente na década de 1960. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Equipe do Tupynambás, (Baeta), década de 1960. (Foto: Acervo de Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br )


Equipe de Futebol do Sport Club Juiz de Fora. Década de 1960. (Foto: Acervo de Simón Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Equipe do Mejolaro Futebol Clube, do Bairro Nossa Senhora Aparecida, em 1960. A foto foi tirada no antigo campo do Central, ao lado da Praça da Estação.

Em pé: Manoel – Renato – Rogerio – Lando – Tião e Altair.

Agachados: Magela –Tiãozinho – Hélio – Jorginho e Tião Moreno. Técnico: Perri. (Foto: Acervo de Elias Munck)


Equipe de Futebol da empresa Facit, década de 1960. (Foto: Acervo de Eugénio Sáenz Arévalo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Equipe de Futebol do Tupynambás F.C, (Baeta). Sem o ano e escalação. (Foto: Acervo de Humberto Ferreira - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Foto muito antiga, sem o ano. Esses homens construíram a história de uma paixão o Sport Club Juiz de Fora. Em pé: Paixão – Braguinha – Isaias – Nagib – Fernando - Jonathas – Sílvio - Caputo e Arlindo. Agachados: Lazinho -Tirolilo e Guaracy. Falta a identificação do primeiro à esquerda.


Márcio Guerra imagina que o local seja o primeiro campo do Sport, onde hoje é o MAMM. Isso porque as casas em volta são clara evidência que seria ao fundo a Rua Santo Antônio. (Foto: Acervo de Márcio Guerra- Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)

Seleção de Juiz de Fora, representando a Seleção Mineira em 1958. (Foto: Acervo de Humberto Ferreira - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br)


Festival do ABC, Tupi Football Club em Junho de 1956. (Foto: Acervo de Bastos Barreto - Extraída do Blog Maria do Resguardo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br) 


Bairro Manoel Honório. Festival do ABC, Clube Atlético Mineiro em Junho de 1956. (Foto: Acervo de Bastos Barreto - Extraída do Blog Maria do Resguardo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br) 

Bairro Manoel Honório. Festival do ABC, Tupi Football Club em Junho de 1956. (Foto: Acervo de Bastos Barreto - Extraída do Blog Maria do Resguardo - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br) 


Bairro Manoel Honório. Festival do ABC. ABC Futebol Clube em Junho de 1956. (Foto: Acervo de Bastos Barreto - Extraída do Blog Maria do Resguardo)


Equipe do Tupynambás em 1949. Na ordem: Pavio - Canhoto - Sinval - Mossoró - Paulo China - Gastão - Jair - Álvaro - Caiana - Waltinho e Liquinho. (Foto: Acervo de Humberto Ferreira - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br) 


Bairro Santa Terezinha. Estádio Doutor Francisco de Salles Oliveira. Equipe do Tupi em 1945. (Foto: Acervo de Eliane Vieira - Publicada no blog mauricioresgatandoopassado.blogspot.com.br) 


Esporte Clube Brasil, do Bairro Vitorino Braga. Time de várzea de Juiz de Fora, com sede no Bar Brasil na Rua Henrique Vaz. Foto tirada no Campo da Pedreira , década de 1960. (Foto: Acervo de Ely Nascimento)


Jogadores do Atlético Mineiro chegando de trem a Juiz de Fora, para um jogo amistoso em 1922. (Foto: Arquivo de Mauricio Lima Corrêa)


Campinho de Futebol do Sport. Pessoas presentes à bênção das instalações do Sport no seu “campinho” da Rua de Santo Antônio, em 1 de Maio de 1921. Da esquerda para a direita, identificados: João Colucci, doutor José Procópio Teixeira, senhorita Irene de Assis, Leôncio Belo, padre Guilherme Porter, Abril de Araújo Alves, coronel Teodorico de Assis e José Procópio Teixeira Filho. (Foto: Acervo de Márcio Guerra)


 Foto rara. Time de futebol do Ítalo Brasileiro Football Club, em 1914. (Foto: Acervo de Sérgio Mello)


Em Juiz de Fora aconteceu a primeira partida de Futebol no Brasil
Outro Pioneirismo da cidade.

Recentemente a gente de Juiz de Fora foi surpreendida com a notícia veiculada na imprensa mineira sobre a descoberta pelo pesquisador Ernesto Giudice Filho, responsável pelo “Arquivo Histórico do Instituto Granbery”, de que no dia 24 de junho de 1893 aconteceu no antigo campo de esportes do colégio, à Rua Batista de Oliveira, uma partida de “foot-ball” entre as equipes “gregos” e “troianos”, formadas por alunos.

O fato foi noticiado pelo jornal local “O Pharol” e está documentado no diário do professor John McPhearson Lander, norte-americano, então reitor da instituição que viu esta prática na Inglaterra e foi responsável por trazer a bola e as regras do jogo para a cidade.

O que se aprendeu até então é que quem introduziu o futebol no Brasil foi o inglês Charles Miller, em 14 de abril de 1895, data do primeiro jogo, na cidade de São Paulo (na Várzea do Carmo, no Brás, entre equipes formadas por funcionários de duas companhias).


Diante dos fatos – fartamente documentados – divulgados pelo professor Ernesto, é preciso rever este assunto e passar a creditar ao professor Lander, ao “Colégio Metodista Granbery” e a Juiz de Fora o feito memorável de serem responsáveis pelo primeiro jogo de futebol no Brasil. (Fotos: Professor Lander e o antigo campo de futebol do Granbery - Acervo e texto: Vanderlei Dornelas Tomaz)